Acabei de ter bebê, estou amamentando só no peito e, portanto, não corro o risco de engravidar, certo? Nãooooooooooo… Isso nem sempre dá certo! É preciso ter cuidado. Veja neste post quando se preocupar e que opções de método anticoncepcional você pode usar amamentando.

A amamentação impede a ovulação e, consequentemente, uma nova gravidez nos primeiros seis meses após o parto quando a mulher ainda não voltou a menstruar, quando as mamadas ocorrem regularmente com intervalos de, no máximo, seis horas e quando o bebê não recebe nenhum outro alimento além do leite materno. E como todo método anticoncepcional, a proteção da amamentação também não é de 100%. A taxa de falha é de 2% em 6 meses.

Portanto se você não preenche os requisitos acima citados ou tem medo de levar azar e o método falhar bem com você, é preciso utilizar algum outro método contraceptivo para evitar uma gestação indesejada. Mas não pense em sair tomando qualquer pílula anticoncepcional! Isto porque a maioria delas contém estrogênio, um hormônio que pode ocasionar trombose venosa nas primeiras seis semanas pós parto e prejudicar a quantidade de leite.

Os métodos para evitar gravidez que podem ser usados durante a amamentação são:

  1. Métodos de barreira, como preservativo masculino, preservativo feminino e diafragma;
  2. Dispositivo intrauterino (DIU) de cobre ou hormonal;
  3. Injeção de progesterona (aquela que é aplicada de 3 em 3 meses);
  4. Implante subdérmico de progesterona;
  5. Pílula de progesterona;
  6. Métodos irreversíveis como laqueadura ou vasectomia.

Já falamos sobre alguns desses métodos em outros posts. Vale a pena você dar uma lida naquele que lhe interessar mais e conversar com seu ginecologista a respeito para juntos decidirem a melhor opção.

Fonte: 1) Obstetrícia – Zugaib, 2008; 2) Contracepção em foco – Carolina Sales Vieira, 2016; 3) Manual de aleitamento materno – Febrasgo, 2010.