Neste post vamos descomplicar um pouquinho a camisinha feminina, um método anticoncepcional pouco usado mas muito eficaz.

O preservativo feminino é um tubo em forma de bolsa, fino e macio, feito de poliuretano e com dois anéis flexíveis, um em cada extremidade, sendo um fechado (que serve para inserir dentro da vagina) e outro aberto (que fica do lado de fora e cobre as partes íntimas externas).

Como todo método contraceptivo possui vantagens e desvantagens. Conheça-as agora e veja como as vantagens superam as desvantagens. Quem sabe você que ainda não usou resolva experimentar.

VANTAGENS

  1. É um método controlado pela mulher (isso é bom porque a mulher pode assumir o comando naquela discussão difícil mas muito frequente sobre usar ou não o preservativo na hora H);
  2. Apresenta dupla proteção: contra gravidez e contra doenças sexualmente transmissíveis (contra as doenças chega a proteger mais que a camisinha masculina porque abrange uma área maior de contato genital);
  3. Não apresenta hormônios (para quem não pode ou não quer usar métodos hormonais);
  4. Não apresenta contra-indicações (isso mesmo, NENHUMA contraindicação);
  5. Não causa alergia (diferente do látex da camisinha masculina, o poliuretano da camisinha feminina não causa reação alérgica);
  6. É mais fina que a masculina (o que proporciona menor perda de sensibilidade e quase acaba com aquela velha desculpa de “chupar bala com papel”);
  7. É mais lubrificada que a masculina (o que é melhor para sexo vaginal e pior para sexo oral);
  8. Pode ser usada com qualquer tipo de lubrificante (diferente da masculina que só pode ser utilizada com lubrificantes a base de água);
  9. Pode ser inserida até 8 horas antes da relação sexual (ou seja, não é preciso “esfriar o clima” para procurar e colocar o preservativo).

DESVANTAGENS

  1. Faz barulho (portanto, capriche no lubrificante!);
  2. Pode se movimentar com o entra e sai do pênis (isso é normal, mas se você sentir que o anel externo está sendo puxado para dentro, segure-o ou coloque mais lubrificante);
  3. Pode falhar (a taxa de falha é de 5 gravidezes em cada 100 mulheres que usam de forma correta, mas lembre-se que todo método anticoncepcional pode falhar, alguns mais, outros menos, mas todos podem falhar);
  4. Pode romper (mas esse risco é maior para a camisinha masculina e se isso acontecer você deverá tomar a pílula do dia seguinte o mais rápido possível);
  5. É mais cara que a camisinha masculina (mas ainda assim é um método anticoncepcional considerado barato).

E aí? O que achou do método? Topa experimentar? Se sim, dê uma olhadinha na figura abaixo que ensina como colocar certinho e veja que não tem muito segredo. Mas cuidado, não invente de usar a camisinha feminina junto com a masculina, pois há risco de rasgar ou furar esfregando uma na outra. E lembre-se: para cada relação, use uma nova camisinha. Nada de reaproveitar!

 

Camisinha-Feminina

Fonte: 1) Rotinas em ginecologia – Fernando Freitas et al, 2006; 2) Contracepção em foco – Carolina Sales Vieira, 2015; 3) Cinco motivos para usar a camisinha feminina – Redação M de Mulher, 2014.