A pílula anticoncepcional promoveu o sucesso da Revolução Sexual. Permitiu que as mulheres se tornassem donas do seu próprio corpo, tivessem liberdade sexual, pudessem evitar gravidez indesejada. Enfim, promoveu alterações nos padrões de comportamento da sociedade.

Os anticoncepcionais hormonais orais combinados são as pílulas contraceptivas. Elas são compostas de dois hormônios: o estrogênio e a progesterona. Com o passar dos anos, essas pílulas foram ficando mais modernas, ou seja, com baixa dosagem hormonal. Com isso, os efeitos colaterais, tais como: inchaço, dor nas mamas, risco de tromboembolismo (trombose) também diminuíram.

O anticoncepcional oral combinado atua:

  • bloqueando a ovulação (a mulher não tem o “período fértil”);
  • tornando o muco cervical mais espesso (assim, dificulta a passagem do espermatozóide para dentro do útero);
  • atua na própria cavidade uterina evitando que ela adquira condições necessárias para receber o ovo/embrião
  • deixa o endométrio (camada de dentro do útero) atrófico (fino), diminuindo assim, o fluxo menstrual.

As baixas dosagens hormonais e o surgimento de novas progesteronas fizeram com que a pílula se tornasse uma aliada ainda maior das mulheres, pois além de evitar a gravidez não planejada, produz menos efeitos colaterais e ainda atua como fator protetor do câncer de ovário e endométrio (corpo uterino).

Existem anticoncepcionais com 21, 22,24 comprimidos e os com 28 comprimidos (pílula de uso contínuo), mas isso é assunto para outro post.

Existem diversos tipos de pílulas anticoncepcionais… Você deve consultar seu/sua médico (a) para saber qual é a melhor para você !!!

E, ainda… Mesmo a pílula sendo importante aliada para planejar o momento da gestação, ela não protege de doenças sexualmente transmissíveis. Então, continue usando camisinha e tenha uma vida sexual saudável e livre!