Polidrâmnio é um termo médico usado para definir os casos onde o líquido amniótico (líquido de dentro da bolsa, onde o bebê se desenvolve) esta AUMENTADO.

As causas para este aumento no líquido são diversas e podem estar relacionadas a mãe, ao bebê, a placenta ou então serem o que chamamos de idiopático (quando não sabemos a causa).

Quando diagnosticamos o polidrâmnio devemos investigar na mamãe uma doença denominada diabetes já que esta é uma causa frequente de aumento no liquido. E se pensarmos em causas fetais podemos encontrar alterações de sistema nervoso central, obstruções do aparelho digestório e arritmias cardíacas levando ao aumento no volume do líquido amniótico: o polidrâmnio.

O sucesso no desenvolvimento da gestação irá depender do tipo e da gravidade das alterações que levaram a este aumento no líquido, dos cuidados durante a gestação, durante o parto e no pós parto.

O líquido aumentado em si, não prejudica o bebê. Além do desconforto respiratório da mamãe devido ao aumento uterino, o polidrâmnio pode levar ao trabalho de parto antes do tempo, ao rompimento da bolsa. O bebê pode ficar sentado ou atravessado, pois tem dificuldade de encaixar. Além disso, pode ocorrer um sangramento maior após o parto, pois o útero estava muito “esticado” e tem dificuldade para voltar ao tamanho normal.

O tratamento deve sempre ser feito tratando-se a causa do polidrâmnio quando possível. Raramente é necessário outro tipo de tratamento, mesmo nos casos mais graves.

A amniodrenagem, ou seja, a retirada com uma agulha de uma parte do líquido pode ser usada para aliviar temporariamente o desconforto da mamãe, porém como é um procedimento invasivo apresenta risco de romper a bolsa e fazer infecções e por isso não é utilizado rotineiramente.