Hello grávidas! Você está acostumada a realizar suas ecografias mas desta vez seu médico pediu a DOPPLERFLUXOMETRIA, ou Doppler. Vamos descomplicar esse exame!?

O Ultrassom é um exame realizado através de ondas sonoras emitidas em uma frequência que, ao encontrar estruturas sólidas (como o bebê e a placenta), se transformam em imagens que indicam o que está acontecendo durante o crescimento do bebê. No caso do Ultrassom com Doppler, as estruturas sólidas são as células do sangue, ele possui uma coloração virtual, que representa o fluxo de sangue entre o bebê e a placenta, da mãe para o útero e a circulação interna do bebê, para avaliar oxigenação, nutrição e batimentos cardíacos.

Não é considerado um exame invasivo, é realizado através do abdome com aplicação de gel sobre a pele. O bebê pode estar em movimento, o que exige mais esforço para encontro dos vasos que serão examinados. Não é prejudicial para a gravidez.

Em cada idade gestacional há uma utilidade para o estudo Doppler:

  • No primeiro trimestre, é realizado na ultrassonografia morfológica (junto com a TN) e avalia o fluxo do ducto venoso e tricúspide (para auxiliar no rastreamento de síndromes e risco de malformações cardíacas) além do fluxo das artérias uterinas, que é importantíssimo para quantificar o risco de a gestante desenvolver pré-eclampsia (pressão alta da gravidez) e de o bebê ser pequenininho (restrição de crescimento ou pequeno para a idade gestacional).
  • No segundo trimestre (geralmente a partir de 28 semanas de gravidez) os principais vasos examinados são as artérias umbilicais (do cordão) e a artéria cerebral média (do cérebro do bebê). As primeiras, avaliam a circulação feto-placentária e a avaliação do fluxo cerebral identifica a oxigenação do bebê além de avaliar a anemia do feto (principalmente em casos específicos, como transfusão feto-feto nos gemelares e na eritroblastose fetal – quando a mãe é Rh negativo e tem coombs indireto positivo).

A Dopplerfluxometria no primeiro trimestre (para avaliação das artérias uterinas) é indicada para todas as gestantes, pois no caso de ter risco alto para desenvolver pressão-alta, existe a possibilidade de iniciar medicamento (AAS) para ajudar a formação da placenta e tentar diminuir esse risco. Já no segundo trimestre não precisa ser feito de rotina, e sim, nos casos em que seu médico achar necessário.

Espero ter ajudado e descomplicado!

Beijinhos!