Oi gente! Vamos descomplicar de uma vez essa dúvida se DIU é ou não abortivo… O efeito do DIU como contraceptivo ocorre de formas variadas, com objetivo de prevenir a fertilização.

Produz uma reação inflamatória na camada interna do útero (endométrio), nas trompas e no colo, o suficiente para ser espermicida, interferindo na motilidade dos espermatozoides e impedindo a fertilização do óvulo, esse é o efeito mais expressivo do DIU de cobre. Essas mudanças no útero também modificam o muco, afetando o transporte do esperma. Os íons de cobre também agem diretamente na motilidade espermática, reduzindo a capacidade de penetrar no muco no colo do útero.

Os DIUs com hormônio, além dessa reação inflamatória, também provocam atrofia do endométrio (deixa a camada de dentro do útero bem fininha), pois o homônio levonorgestrel do DIU impede a resposta do hormônio feminino (estradiol) circulante de forma local, aumenta a viscosidade do muco cervical (que já vimos que reduz a capacidade de transporte do esperma) e altera a motilidade tubária (porque os movimentos da tuba auxiliam a levar o óvulo ao encontro do espermatozóide). E em algumas mulheres a ovulação é inibida.

A falha do DIU de cobre é 2 gestações para 100 mulheres por ano e do DIU com progesterona de 0,2/100 mulheres ano.

Caso ocorra gravidez o aborto espontâneo pode ocorrer em 50-60% das mulheres SE O DIU NÃO FOR RETIRADO!!! O recomendado é retirar assim que haja diagnóstico da gestação, até no máximo 12 semanas. Se o fio é visível, faz a retirada tracionando o fio e caso não seja visível se recomenda a retirada por histeroscopia com um profissional habilitado. Há aumento no número de partos prematuros e infecção se o DIU não for removido. Porém o DIU não aumenta o a chance de mal formações congênitas.

 

Fonte: (1) Manual de Ginecologia e Obstetrica – SOGIMIG; (2) Manual Anticoncepção FEBRASGO 2015