Olá meninas, td bem? Hoje vamos falar um pouco sobre “não menstruar”… Acho que muitas de nós já ouviu que a mulher “precisa” menstruar todo mês para “limpar” o organismo, o útero (nossas avós, bisavós falavam assim), mas será que é isso mesmo?

Será que não menstruar faz mal?

Bom, atualmente, grande número de mulheres gostaria de nunca menstruar, ou menstruar apenas esporadicamente, ao invés de todo mês… Isso porque muitas “sofrem” no período menstrual, seja por apresentarem fluxo menstrual intenso, cólicas menstruais fortes, síndrome pré-menstrual – TPM (ninguém merece, né?!), aquela dor de cabeça chata – a cefaleia menstrual, endometriose e irregularidade menstrual.

Portanto, essas mulheres são fortes candidatas a se beneficiarem muito com a ausência da menstruação.

O contraceptivo oral combinado (COC) – a famosa pílula, surgiu em 1960, com o principal papel de mostrar às mulheres que elas menstruariam 01 vez por mês, demonstrando que assim, eram “normais”- pelo fato de terem sangramento e não estarem grávidas (pois na época, acreditava-se que para a mulher não estar grávida, ela deveria menstruar).

Hoje, com o advento dos inúmeros anticoncepcionais hormonais e tantos métodos contraceptivos, a mulher tem maior controle sobre seu sistema reprodutivo, podendo programar se quer ou não engravidar  e quando terá filhos, além de optar se deseja ou não menstruar.

Pesquisas mostram que as mulheres modernas, com suas vidas corridas, muitas vezes exercendo triplo papel – mãe, esposa e mulher de sucesso profissional – gostariam de nunca menstruar ou ter maior espaçamento entre as menstruações.

Então, vamos esclarecer: não faz mal não menstruar! E também é seguro, isto é, não causa prejuízos ao organismo.

Estudos mostram que a eficácia de regimes de contraceptivos contínuos (emendar a cartelinha da pílula) é igual ao uso cíclico tradicional (com pausa) dos anticoncepcionais, além de haver o mesmo risco em relação ao desenvolvimento de trombose – assunto comentado aqui no blog em outro post – e também há retorno das menstruações normais e da fertilidade após a interrupção do regime contínuo.

Se você é uma mulher descomplicada e se interessou sobre esse assunto, agende uma consulta com seu/sua ginecologista para saber se você se encaixaria neste perfil!

Até a próxima,

Beijos ; )

FONTE: Guia Prático Contracepção Contínua -FEBRASGO – 2015