Olá meninas, hoje continuaremos a explicar sobre os métodos anticoncepcionais comportamentais. No último post falamos sobre o método da tabelinha e o método do muco cervical, se ainda não leu, aproveite para ler agora! Vamos agora descomplicar outras formas de evitar gestação sem o uso de mediamentos:

Método da Curva da temperatura basal (CTB):

Método baseado na alteração de temperatura que ocorre no corpo com a ovulação. Assim que ocorre a ovulação a mulher começa a secretar um hormônio chamado de progesterona. Entre várias outras propriedades, esse hormônio é responsável por elevar a temperatura corporal basal em alguns décimos de grau.

Mas o que é temperatura basal? É aquela temperatura medida após 6 horas de sono no mínimo.

Para utilizarmos o CTB precisamos de uma rotina com muita disciplina. A mulher deve medir sua temperatura corporal todas as manhãs (preferencialmente no mesmo horário), antes de levantar da cama. A medição deve ser feita com o termômetro na boca, ou na vagina, ou no ânus, nunca na axila. Anotar a temperatura corporal em um gráfico diário e observar uma elevação de 0,2-0,5°c logo após a ovulação.

O casal deve evitar sexo vaginal do primeiro dia da menstruação até 3 dias após a temperatura da mulher ter se elevado acima da temperatura regular (tudo isso?!?!?!)

É claro que esse método tem muitas falhas. Qualquer processo gripal, infeccioso ou inflamatório pode alterar a temperatura basal da mulher. Além do que qualquer quebra da disciplina nas aferições da temperatura também pode prejudicar o método.

Persona:

Existe um aparelho digital chamado Persona (usado no exterior principalmente na Europa) que permite a analise continuada da fertilidade do casal. O monitor possui 3 luzes coloridas, uma verde (indica dia seguro), uma vermelha (indica dia perigoso, não ter relação sexual), e uma amarela (representa incerteza). A cada dia a mulher abre o monitor e verifica sua fertilidade, baseada nos dados inseridos sobre o ciclo menstrual. Quando a luz amarela aparece a mulher retira do aparelho uma fita e aplica nela uma amostra de urina, reinsere no monitor que indicara luz verde ou vermelha. Com o uso continuo o aparelho acumula informações da usuária. Sua eficácia é de cerca de 94%.

Coito Interrompido:

Utilização de práticas sexuais diversas que consistem na ejaculação fora da cavidade vaginal. O homem, ao pressentir que irá ejacular, retira o pênis da vagina e ejacula fora desta.

O homem deve ter um excelente auto-controle para poder utilizar este método. Lembrando que o método pode ter falhas pois o homem libera uma secreção do pênis antes de ejacular, e esta secreção pode já conter espermatozoides. Além do mais, a ejaculação na vulva ou na região femoral (entre as coxas) pode resultar em uma gestação indesejada (de forma muito rara, mas pode).

Referências: Poli, MEH et al, Femina, setembro 2009, vol 37, n9