Hoje vamos dar uma idéia geral de todos os tipos de métodos anticoncepcionais existentes no mercado. Acredito que muitas de vocês vão se surpreender com a variedade existente. Hoje falaremos sobre os métodos hormonais, nos próximos post falaremos de métodos de barreira e comportamentais.

Anticoncepcional Oral combinado (ACHO): Os mais conhecidos! Pilulas que contém os dois tipos de hormônios femininos: estrogênio e progesterona. Existem diversos tipos no mercado com variação de hormônio, dose e duração. Ajudam também no controle do fluxo menstrual, na regularidade da menstruação além de diminuir a cólica e a terrível TPM. São usados muitas vezes no tratamento de endometriose, sangramento irregular, acne e excesso de pelo. A forma de uso é diversa, existem pilulas com pausa de 7 dias, 4 dias, 2 dias e até pílulas sem pausa. A taxa de falha é por volta de 7% se considerarmos nosso uso habitual, se o uso fosse perfeito (se não tivéssemos nenhum agente de redução de eficácia como diarreia, vômitos, esquecimento…) a taxa de falha seria de 0,5% .

Anticoncepcional Oral com progestagênio isolado: pílula oral a base de progesterona unicamente. Nessa categoria temos a minipílula (pouco usada no mercado devido a maior taxa de falha) e a pílula convencional com progestagênio isolado (com taxa de falha igual ao ACHO). A forma de uso é continua, ou seja, sem pausa, mesmo estando menstruada. A menstruação tende a ser em menor quantidade sendo que muitas pacientes deixam de menstruar. Muito usada em situações específicas em que não devemos usar os métodos combinados (com 2 tipos de hormônios), exemplo: lactantes (mulheres que estão amamentando exclusivamente), fumantes acima de 35 anos, hipertensas graves, diabéticas não controladas, trombose previa, doenças arteriais graves, entre outras…

Injetável mensal: método injetável que deve ser administrado mensalmente (a cada 30 dias ou no oitavo dia do ciclo menstrual, dependendo da categoria escolhida). Aplicação sempre no bumbum. Também é produzida com os dois tipos de hormônios tendo indicações e contra-indicações semelhantes aos ACHO. A taxa de falha é muito baixa, cerca de 0,2%.

Injetável trimestral: método injetável, também no bumbum, que pode ser aplicado a cada 90 dias. Possui apenas um tipo de hormônio, a progesterona, com indicações e contra-indicações semelhantes ao anticoncepcional oral com progestágeno isolado. O efeito colateral mais importante é o sangramento irregular. Os ciclos menstruais regulares podem demorar de 6 meses a um ano para retornarem ao normal após a suspensão do uso.

No próximo post falaremos sobre o anel vaginal, adesivo, implante subdérmico e Sistema Intra-Uterino. Aguardem!

Referências:(1) Manual de Anticoncepção da Febrasgo. Poli, MEH et al, Femina, setembro 2009, vol 37, n9; (2) Silveira, CO et al, Reprod Clim. 2014; 29(1): 13-20