Olá mulherada, hoje vamos falar sobre um assunto que atormenta quase todas as mulheres antenadas. É verdade que o anticoncepcional aumenta o risco de trombose venosa (entupimento de veias) podendo causar sérios riscos à nossa saúde? Em alguns casos SIM.

Vamos começar explicando os tipos de anticoncepcionais que temos no mercado:

  • Anticoncepcionais à base de estrogênio e progesterona: os mais comuns no mercado. Envolvem a enorme maioria das pílulas, o anel vaginal, adesivo e injeção mensal.
  • Anticoncepcional à base de progesterona isolada: pílula oral, o injetável trimestral e o implante de progesterona (Implanon®)*
  • Dispositivos intra-uterinos: DIU de cobre e SIU (Mirena®)*
  • Métodos não hormonais: DIU de cobre, camisinha, diafragma.

Todos (e eu disse TODOS!) os métodos à base de estrogênio em sua formulação aumentam o risco de desenvolvimento de trombose. O que varia esse risco é a dosagem de estrogênio, tipo de estrogênio e o tipo de progesterona associada. Por exemplo: uma pílula com 35mcg de estrogênio desencadeia um risco maior de trombose que uma pílula de 30 mcg de estrogênio. Alguns progestagênios também podem potencializar o efeito do estrogênio, deixando essas pílulas um pouco mais perigosas também. Porém, o risco entre elas varia MUITO pouco.

A mídia tem colocado algumas “pílulas famosas” como grandes vilãs da trombose, isto está errado. Estas pílulas contém sim um risco discretamente aumentado em relação a outras porém, se bem indicadas, podem trazer uma qualidade de vida que supera os risco às suas pacientes.

Lembrem-se que todas nós mulheres temos estrogênio circulando no nosso corpo, ou seja, simplesmente pelo fato de existirmos e termos ovários funcionantes já temos um risco maior de trombose que os homens. Abaixo coloquei um esqueminha para vocês entenderem:

  • Risco de toda mulher ter TVP**: 1-5 casos em 10.000 mulheres
  • Risco de ter TVP com estrogênio: 2-20 casos em 10.000 mulheres (aumento de 2-4 vezes o risco)
  • Risco de ter TVP se engravidar: 120-300 casos em 10.000 mulheres (aumento de 60 vezes o risco!!!)

Ou seja, engravidar aumenta MUITO mais o risco de ter trombose do que usar pílula. E a coitadinha leva toda a fama…

E os métodos à base de progesterona? Esses teoricamente não aumentam o risco de trombose e são indicados para mulheres com risco aumentado, como as tabagistas, obesas, diabéticas, hipertensas, que tiveram TVP prévia ou risco familiar alto. Claro que sempre precisaremos da liberação do médico vascular caso a trombose tenha sido recente para iniciar o método.

Muitas mulheres tem risco de trombose aumentado por terem alterações genéticas que predispõem a essa doença. Embora pareça lógica, a pesquisa desses fatores NÃO deve ser realizada antes de se começar a usar um anticoncepcional. Inúmeros estudos foram realizados e não foi encontrado diferença de incidência de trombose em mulheres que foram investigadas ou não, pois essas alterações genéticas são raras. Caso, por algum outro motivo, uma pesquisa tenha sido feita, e uma paciente tenha sido diagnosticada com uma doença ou alteração genética que predispõe a trombose, o uso de anticoncepcional combinado deve ser contra-indicado.

Espero que tenha sido útil! Em breve um post sobre fatores de risco para trombose, aguardem!

* marcas únicas registradas no mercado nacional

** trombose venosa profunda

 

Referências:

1.Vieira, Carolina Sales. Contraceptivo oral combinado ne risco para trombose:papel do progestagenio. Femina;32(10):853-862, nov-dez. 2004

2. Silveira, camila oliveira et al. Contracepção ewm mulheres com condições clínicas especiais. critérios e elegibilidade. Reprod clim. 2014;29(1):13-20